Canal Içara

Canal Içara

27 de setembro de 2021 - 03:49
André Eleutério: não tem nada de errado em chorar
28/03/2021 às 10:40 | André Eleutério
Chorar no mundo significa fraqueza. Mas o chorar aqui significa que estamos convictos do nosso pecado. Jesus era homem de dores e que sabe o que é padecer (Isaías 53:3).

“Felizes os que choram, pois serão consolados" (Mateus 5:4)
Enquanto vivemos nesta tenda que é o corpo terreno, gememos e suspiramos, mas isso não significa que queremos ser despidos. Na verdade, queremos vestir nosso corpo novo, para que este corpo mortal seja engolido pela vida. (Coríntios 5:4.)

Vivemos um conflito que nos leva ao autoexame, nos faz meditar em nossas ações e em nossa condição pecaminosa. E não só isso, também nos faz olhar para as outras pessoas, nos mostrando assim a miséria espiritual também delas. Entendemos assim que todas as desgraças do mundo são provenientes de pecados.

Meu querido Ogro, ao meditarmos sobre essas coisas, não tem como não chorarmos, e não tem nada de errado em chorar. O bom é sabermos que seremos consolados. Somos felizes, pois entendemos que nossos pecados foram perdoados. E temos a satisfação de nos reconciliarmos com Deus. Medite ogro, chore e se alegre em Deus.


André Eleutério: vamos ser humildes de espírito?
14/03/2021 às 09:00 | André Eleutério
“Bem-aventurados os humildes de espírito, pois deles é o Reino dos céus” (Mateus 5:3). Essa primeira qualidade nos indica um esvaziamento de nós para que na sequência da nossa caminhada espiritual sejamos cheios do Espírito Santo. “Da mesma forma, considerem-se mortos para o poder do pecado e vivos para Deus em Cristo Jesus.” (Romanos 6:11).

O sermão do monte é algo impossível de ser escalado sozinho. E isso requer reconhecer nossa necessidade de sermos ajudados por Deus, diferente do que o mundo nos incentiva, de sermos independentes, autoconfiante, etc. Podemos parecer justos aos olhos dos homens, mas a face de Deus as coisas podem ser diferentes.

“O Alto e Sublime, que vive na eternidade, o Santo diz: ´Habito nos lugares altos e santos, e também com os de espírito oprimido e humilde. Dou novo ânimo aos abatidos e coragem aos de coração arrependido.´" (Isaías 57:15).

Pedro era um ogro. Era confiante em si mesmo, era explosivo. Mas foi moldado pelo Espírito Santo. Sua personalidade essencial não mudou, mas se tornou humilde de espírito. “Senhor, retira-te de mim, pois sou pecador” (Lucas 5:8).

Assim também era Paulo, dotado de várias atribuições. E a cada dia era moldado nos moldes do Espírito Santo. E o maior exemplo de se esvaziar de si mesmo foi o próprio Jesus Cristo: Filipenses 2:5.

"Tenham a mesma atitude demonstrada por Cristo Jesus. 6 Que, mesmo existindo na forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus algo que deveria ser retido a qualquer custo. 7. Em vez disso, esvaziou a si mesmo; assumiu a posição de escravo e nasceu como ser humano. Quando veio em forma humana,8. humilhou-se e foi obediente até a morte, e morte de cruz.9. Por isso Deus o elevou ao lugar de mais alta honra e lhe deu o nome que está acima de todos os nomes,10. para que, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre, nos céus, na terra e debaixo da terra,11. e toda língua declare que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai."

Mano ogro, se quisermos ser humildes de espírito, devemos voltar nossos olhos para Deus. Pois é de lá que vem nosso exemplo a ser seguido. Tem coisas que são dificílimas, mas necessárias. E somente com a nossa força não vai rolar. Devemos pedir ajuda para o Espírito Santo nesse processo de esvaziamentos do nosso eu. Só assim seremos cheios de Deus.


Estar com Jesus, ou melhor, ter comunhão com Cristo, sempre vai gerar aprendizado. Os ensinos de Jesus são práticos. O grande problema para nós ogros é que não gostamos de ser ensinados, pois muitas vezes entendemos que já somos bons o suficiente, ou entendemos que não precisamos ser corrigidos.

“Mateus 5: 2. e ele começou a ensiná-los. Jesus disse”

Então o primeiro passo é aceitar ou entender que temos muitas coisas a melhorar. Que não somos tudo aquilo que achamos que somos. E que precisamos não de autoajuda, mas da ajuda que vem do alto. Vai doer, vai nos confrontar. Mas vai valer a pena.

E a ideia é rever os nossos conceitos, não baseados em nossos critérios, mas baseados nos critério da Bíblia, no que Jesus nos disse através da ajuda do Espírito Santo. Hebreus12:11 diz; “Na verdade toda a correção ao presente não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela.”

Querido ogro, não somos tudo aquilo que achamos que somos. E sim, podemos melhorar! Não de qualquer jeito. Mas baseados nos princípios de Jesus, e isso só é possível se nos deixarmos moldar através da comunhão com Jesus.


É interessante notar que Jesus sempre vê a multidão. Nada fica desapercebido diante dele, suas necessidades, seus anseios. Mas Ele tem um extremo zelo e cuidado por quem está perto.

“Mateus 5: 1. Quando Jesus viu aquelas multidões, subiu um monte e sentou-se. Os seus discípulos chegaram perto dele.”

Nós ogros temos uma dificuldade. Somos na maioria do tempo zelosos com a multidão, mas com quem está perto muitas vezes damos a nossa pior versão. Aguentamos tudo da multidão. Mas com que está perto, na maioria das vezes, não temos paciência alguma. Por qualquer coisa explodimos, brigamos, ficamos bravos.

Atraímos a multidão e fazemos de tudo para quem está perto se afastar. E para mudar isso temos primeiro que entender que somos assim mesmo. Devemos entender que não somos em casa tudo aquilo que a multidão acha da gente. E quem está perto de nós gostaria que fôssemos o que somos na rua, mais carinhosos, mais flexíveis, mais atenciosos.

Reflita, entenda se você é assim e pratique o que Jesus Cristo nos ensinou. Não vai ser fácil, mas “tudo é possível ao que crê”. Meu querido ogro, devemos vigiar e orar para que o Espírito Santo nos ajude a notar esses tipos de comportamento e com sua ajuda vamos melhorar a cada dia.


Certa noite eu tive um sonho em que Deus simplesmente me pedia para escrever sobre o ogro. Na manhã seguinte acordei sem entender muito bem sobre esse pedido, mas fui procurar o que significava a palavra ogro. Pois até então o único ogro que eu conhecia era o Shrek do filme infantil.

Mas o significado da palavra ogro mostrou que eu tinha muitas coisas em comum com um ogro. Entre o eu em Cristo, e o eu em Adão. Entre a minha natureza caída e a vida em que Jesus me chama para viver. O significado da palavra ogro: é um monstro lendário que se alimenta de carne humana (carnal). Essa palavra vem do latim ORCUS, que significa inferno. Sendo grosseiro e mal educado, rude, indelicado.

Não sei quanto a você, mas eu me identifiquei muito com esses tipos de atitudes, principalmente dentro de minha própria casa. E aqui não estou levando em conta o grau em que me encontro dentro de uma escala de zero a 10 nos atributos negativos do ogro que se refletem em minha vida.

Pois a questão é de não negar a existência desses atributos negativos em nosso viver. Mas sim, em assumirmos que somos mestres em dar a nossa pior versão para os que estão dentro de nossas casas. E quando isso acontece, gera um conflito dentro de mim, pois assim como o apóstolo Paulo, o que desejo fazer muitas vezes eu não faço, mas o que não desejo fazer, muitas vezes faço facinho facinho.

No filme do ogro, Shrek também vive uma crise interna entre sua natureza e como ele deseja ser. Após entender o significado da palavra ogro, Deus me pediu para escrever sobre, baseando-me no sermão do monte. Também a princípio não entendi muito bem. Então fui estudar o sermão do monte. Fui confrontado e levado a fazer um contraste entre a minha vida, no homem caído, nas coisas carnais, e todas as coisa que me puxam para a condenação ao inferno me afastando de Deus, e todo o reflexo de Adão em mim.

O sermão do monte nos mostra como a maioria das pessoas, e me incluo nessa situação, que vivemos na superficialidade das questões espirituais. O que não ajuda em nada a sermos quem Deus quer que sejamos. O sermão do monte vem como norte para nos direcionar e nos instruir no que tange ao que cada cristão pode se tornar quando entende que ao entregarmos a direção da nossa vida ao Espírito Santo, Ele vai nos tornar, e nos moldar o cristão que aos olhos do mundo seria impossível.

E isso só acontece quando entendemos que somos totalmente dependentes da ação do Espírito Santo sobre as nossas vidas. O sermão do monte é um caminho a ser trilhado. E cada passo é importante, não dá para pular os processos, pois cada passo dado, nos leva a um próximo nível em Deus, nos reposicionando no projeto inicial de Deus.

A Bíblia é nosso manual, mas não devemos lê-la de forma mecânica. A própria Bíblia nos recomenda que devemos meditar nela e não somente ler como um livro qualquer. No sermão do monte entendemos que sem a ajuda do alto é impossível aplicar seus ensinamentos. Expõe e explica a lei, mas a eleva a um nível mais elevado.

Esse nível, é viver no reino de Deus, que ainda não foi instaurado na terra, mas já está ativo na vida de quem já entregou a direção do seu coração a Cristo Jesus. E Cristo Jesus reinando em nossos corações, o reino de Deus já se faz presente na terra.
À medida que praticamos os ensinamentos do sermão do monte, sob a direção do Espírito Santo, mais haveremos de experimentaras as bênçãos de Deus sobre as nossas vidas. A prática desses ensinamentos nos tornam cristãos mais autênticos, que não quer dizer perfeitos mas saudáveis e equilibrados em todas as áreas de nossas vidas.

E isso também traz reflexos positivos para dentro de nossas casas, pois conseguimos ver com clareza quem somos de verdade e como devemos agir em nosso principal ministério que é o nosso lar, nossa família. E assim entendemos o significado de viver a vida e vida em abundância em Cristo Jesus. Além de nos transformar, o reflexo dessas práticas fazem com que aconteçam duas coisas as pessoas que estão a nossa volta. Uma é repelir as pessoas no sentido de condenação, e ao mesmo tempo os atrai para a salvação em Cristo Jesus.

No sermão do monte há uma ordem e uma sequência lógica espirituais, que nos mostra que pedir a uma pessoa não convertida que ela deve por em prática os preceitos do sermão do monte é um erro. O sermão do monte é para quem já é crente e está entendendo a necessidade de praticar os ensinamentos deixados por Jesus para que nos tornemos crentes autênticos e saudáveis. Enquanto meditamos no sermão do monte somos moldados pelo Espírito Santo, e ao nos dispormos a praticar os seus ensinamentos o nosso caráter cristão é forjado.

Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz, 8 Não endureçais os vossos corações, como na provocação, no dia da tentação no deserto.” Permita-se ser transformado agro. Hebreus 3:7


André Eleutério é formado em teologia.