Canal Içara


29 de abril de 2017 - 00:25
Opinião: O que é uma greve geral?
28/04/2017 às 07:00 | Leitor Edegar Generoso*
Não tenho os percentuais, mas acredito que a maioria dos trabalhadores brasileiros de hoje nunca passou pela experiência de uma Greve Geral. Talvez não entendam o sentido e a importância de participar de um movimento que é sempre histórico e extremamente incomodo para as classes dominantes.

Uma Greve Geral não é chamada “a torto e a direito”. Só é convocada em momentos em que a classe trabalhadora sente-se extremamente ameaçada em seus direitos. É quando o grupo que está no comando do governo veta toda e qualquer participação popular em sua tomada de decisões. É quando o governo se faz de surdo por não querer ouvir a voz das ruas. É quando interesses estranhos à nação brasileira tomam conta da cabeça dos políticos.

Por esses contornos é que uma Greve Geral é sempre uma Greve Política, pois sempre almeja que os interesses da maioria da população prevaleçam na tomada das decisões políticas dos governos. Portanto, Greve Geral é diferente de greve de categoria, que costumeiramente luta por melhorias salariais. Greve Geral é greve de gente que luta hoje para que as gerações que virão tenham um futuro com dignidade.

Nas leis da natureza a semente maltratada de hoje não dará um bom fruto amanhã. O mesmo vale para a conjuntura política: se esta geração de trabalhadores acanhar-se, curvar-se, humilhar-se ante as medonhas reformas do governo ilegítimo de Temer(PMDB) que qualidade terá o amanhã dos que virão? Eu respondo: a qualidade de um emprego de terceira, com salários ínfimos e aposentadoria aos 65 anos.

Ao longo da história brasileira tivemos apenas oito greves gerais se contarmos a Greve de 1917 que paralisou a capital paulista por vários dias. Todas os chamamentos posteriores aconteceram a partir de 1983, período marcado pelo renascimento e fortalecimento do movimento sindical brasileiro.

Em 1917 os trabalhadores paulistas se ergueram contra as péssimas condições sociais e econômicas a que eram submetidos. Lutaram por melhores condições de trabalho, contra o trabalho infantil e pela melhoria dos salários. A partir da década de 80, as greves gerais foram chamadas para a defesa dos interesses dos trabalhadores nos diversos planos econômicos, que invariavelmente provocavam algum arrocho salarial.

Já no terceiro milênio o 28 de abril será a primeira vez que a chamada classe produtiva vai organizadamente manifestar-se contra o governo federal e contra todos os que lhe dão sustentação. Isso se dará não por um posicionamento político-partidário, mas por defesa de seus direitos que estão sendo aviltados.

A omissão de qualquer cidadão trabalhador nesse momento pode custar muito caro a si e aos que virão. Pode custar a aposentadoria, a qualidade do seu emprego e os direitos trabalhistas que lhe dão proteção. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer (Vandré).

*Edegar Generoso é presidente do Sindicato dos Bancários de Criciúma e Região


Reservatórios serão ativados até sexta-feira
24/04/2017 às 17:00 | leitor-repórter Diego Generoso
Desde que mudou-se para o bairro Jardim Silvana há mais de um ano, Diego Generoso relata dificuldade no abastecimento de água. “Todos os sábados, domingos e feriados a água não chega a minha casa durante o dia. Só chega de madrugada”, reclama. A expectativa é que a operação dos reservatórios da Casan no bairro Jardim Elizabete signifique uma solução.

A reserva de 520 mil litros de água deverá atender os moradores do Jardim Elizabete, Jardim Silvana, Jaqueline e Tereza Cristina a partir desta semana. “As duas caixas já passaram pelo teste de vazamento e hoje inicia então a instalação da automatização. Queremos deixar tudo pronto até sexta-feira”, coloca o gerente da Casan em Içara, Acioni da Silva.


Tolerância é manifestada por 66% de internautas
24/04/2017 às 11:00 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
Mesmo diante de bolhas proporcionadas pela aproximação de pessoas com as mesmas opiniões, 66% dos internautas afirmas ser tolerantes nas redes sociais. O percentual é baseado numa enquete realizada pelo Canal Içara entre os dias 17 e 24 de abril. Ao todo, 32 leitores do portal participaram espontaneamente da pesquisa informal.

Com o auxílio de um software, a equipe do Comunica Que Muda concluiu que a intolerância de maior audiência no Brasil é a política. Foram quase 220 mil menções entre abril e junho/2016. Isto significa mais de quatro vezes mais do que a misoginia, que aparece em segundo lugar (50 mil menções); seguida por preconceitos relacionados a deficiência, aparência e raça.

Expressões como cabelo ruim, gordo, vagabundo, retardado mental, boiola, malcomida, golpista, velho e nega predominam as nuvens de palavras encontradas em posts que revelam todo tipo de intransigência ao outro, em relação a aparência, classes sociais, deficiências, homofobia, misoginia, política, idade, raça, religião e xenofobia.


FGTS: pagamento de dívidas é a prioridade
17/04/2017 às 11:00 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
O saque das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço chegou em boa hora. O recurso será utilizado por 64,70% dos internautas beneficiados para o pagamento de dívidas. Outros 17,64% usarão para compras e investimentos e 17,64% para aplicação na poupança.

Os percentuais consideram a fração de quase um terço dos 46 leitores que participaram espontaneamente da enquete do Canal Içara entre os dias 10 e 17 de abril. Isto porque 63% apontaram não terem sido contemplados pela liberação do recurso.

Somente nos primeiros sete dias após a abertura do calendário para saques de contas inativas, mais de R$ 4,8 bilhões foram transferidos para 3,2 milhões de trabalhadores em todo o país. A estimativa é que quase R$ 7 bilhões sejam injetados na economia até 31 de julho.


Páscoa: intenção de compras melhora
10/04/2017 às 11:00 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
A perspectiva é que as compras para a Páscoa sejam melhores em 2017. Desta vez, 48% dos internautas do Canal Içara apontaram intenção de compra diante de 37% do ano anterior. Ao todo, 31% indicaram o investimento de até R$ 50. Em 2016 eram 18%. O ticket de R$ 51 a R$ 100 foi a opção de 11%, neste caso, com redução, pois em 2016 eram 15%. Mas os gastos acima de R$ 100 subiram de 4% para 6%. Os dados refletem a enquete realizada pelo portal entre os dias 3 e 10 de março espontaneamente com 87 leitores.

Envie também o seu artigo para opiniao@canalicara.com. Para ter o texto publicado é necessário se identificar. A postagem não significa que o portal concorde com a opinião.