Canal Içara


24 de junho de 2017 - 04:08
Inverno: preferência pelo lar aumenta em 2017
19/06/2017 às 11:00 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
O inverno inicia nesta próxima quarta-feira, dia 21. E junto com temperaturas mais baixas, provoca também a mudança no comportamento das pessoas. Para 57% a opção vai ser aproveitar o próprio lar. Outros 25% indicam que a estação será propícia para gastronomia e 5% para viagens. Além disso, 14% colocaram outras opções. Os números são baseados na enquete do Canal Içara. Ao todo, 44 leitores participaram entre os dias 12 a 19 de junho.

Os dados de 2017 apontam o aumento da preferência pelo lar em comparação ao ano anterior, quando 48% consideravam que o principal lazer para o inverno era ficar no conforto de casa. Em contrapartida a opção gastronômica reduziu. Em 2016 era 37%. Já as perspectivas de viagens subiram. Até então representava 2% enquanto 13% apontavam outras opções. Em 2016 participaram 46 leitores entre 20 e 27 de junho.


Opinião: Ler faz muito bem
03/06/2017 às 11:00 | Leitor Mario Eugenio Saturno*
Todos sabemos que ler livros de ficção é muito bom para aprender a Língua e agora os cientistas afirma que a ficção faz muito mais que isso. De acordo com um novo estudo, realizado por Keith Oatley, professor de psicologia cognitiva emérito da Universidade de Toronto, e publicado na revista “Trends in Cognitive Sciences”, livros de ficção podem ensinar os leitores sobre tópicos complicados como racismo, pobreza, bullying, orientação sexual e muitas outras questões. E isso dá a esses leitores a capacidade de entender melhor as pessoas.

Oatley, que também é um escritor premiado, afirma que uma obra de ficção é um pedaço de consciência que pode passar de uma mente para outra e que o leitor pode torná-la sua. Os livros podem funcionar como um “laboratório moral”. A leitura pode ajudá-lo a testar com segurança como você se sente sobre certas questões ou pessoas, sem ter que experimentar algo diretamente. Oatley acredita que os romances que mais ajudam são aqueles que buscam entender os personagens por dentro, como a “Sra. Dalloway” de Virginia Woolf, bem como com a ficção popular “Harry Potter”.

A leitura de livros como aqueles pode melhorar a vida amorosa, a vida familiar e os relacionamentos no trabalho. Aprende-se com as preocupações da Sra. Dalloway enquanto compra flores ou conforme Harry Potter esforça-se para controlar seus poderes junto a sua família comum e negligente. O leitor compara essas experiências com as próprias. E as experiências dos personagens são internalizadas para aumentar a cognição cotidiana.

Em outras palavras, segundo Oatley, a leitura de ficção melhora a empatia com as pessoas, conforme observou em seu estudo. Ele também observa que em outros estudos cerebrais de pessoas que ouvem histórias que envolvam uma emoção intensa mostram uma resposta física, como mudanças de ritmo cardíaco. E exames cerebrais mostram que a área que corresponde à emoção acende-se, como se a pessoa estivesse experimentando essa emoção pessoalmente.

E estudos anteriores mostraram que os programas de televisão, como os seriados guiados pelas personagens e não pela trama, como “The West Wing” ou “The Good Wife”, também podem ajudar a entender melhor o que os seres humanos estão fazendo. Outros estudos mostraram que assistir a comédias de personagens pode diminuir o preconceito dos telespectadores. Isso é uma boa novidade, já que as comédias contém conteúdo preconceituoso contra minorias.

Para o cientista, sua pesquisa ensina que não basta ser tão esperto quanto Sherlock Holmes, para ser bem sucedido, ou seja, dar-se bem nesta vida, é precisa entender realmente as pessoas emocionalmente. E não se pode estar tão emocionalmente indisponível como o Sr. Darcy, personagem do livro “Orgulho e Preconceito”. E ainda aprender a lição que Jane Austen está tentando ensinar nesse livro, ou seja, para amar as pessoas, é necessário realmente conhecê-las. Oatley conclui lembrando que as pessoas dizem que só tem uma vida, “mas eu digo que ao ler uma ficção faz o leitor viver muitas vidas”.

*Mario Eugenio Saturno é tecnologista sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.


Gorjeta: 83% desconhecem nova lei em vigor
29/05/2017 às 11:00 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
A Lei da Gorjeta já está em vigor. Ela não obriga a contribuição espontânea, mas garante que o valor seja inserido na Carteira de Trabalho dos profissionais que já recebem o valor adicional em bares, restaurantes, hotéis, motéis e demais tipos de estabelecimento. Entretanto, ainda parece ser uma novidade para a maioria dos internautas. Dentre os leitores do Canal Içara, 83% desconhecem a regra. O número é baseado em uma enquete realizada pelo portal entre os dias 22 e 29 de maio. Ao todo participaram 46 pessoas.

Conforme a nova lei, a gorjeta deve agora ser registrada na carteira de trabalho com o valor médio recebido nos últimos 12 meses. Se houver redução no recebimento das gorjetas, o empregador deverá arcar com o valor registrado na carteira dos empregados. Para os estabelecimentos inscritos no Simples Nacional, até 20% do que for arrecadado em gorjetas serão destinados a esse tipo de encargo. Nos demais casos, até 33% do valor. O restante deve ser integralmente repassado aos funcionários.


Descarte de peças automotivas é flagrado no Anel Viário
24/05/2017 às 12:00 | leitor-repórter Marlene Silvério
Um flagrante do descarte do revestimento interno de portas automotivas ocorreu na Rodovia Jorge Zanatta nesta última terça-feira, dia 23. O lixo foi deixado em Içara por um fretador de Criciúma com a carga pertencente a um ferro-velho também da cidade vizinha. Procurado, o dono do veículo informou estar em dificuldades financeiras. E mediante ao pagamento de R$ 200 aceitou fazer o serviço para garantir o orçamento do mês.

Além de peças de automóveis, o Anel Viário virou local de descarte de móveis, equipamentos eletrônicos, rejeitos de construção e de constantes queimadas. Mas causar poluição em níveis que possam resultar em danos à saúde humana, provoquem a mortandade de animais ou a destruição da flora é crime. Conforme a Lei Federal 9605/1998, o autor pode ser penalizado com até quatro anos de reclusão - convertíveis em penas alternativas - e também multa.


Projeção é de 12% de incremento no e-commerce em 2017
22/05/2017 às 11:00 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
O e-commerce ainda não faz parte da rotina de compras de 53% dos internautas do Canal Içara. Outros 38% já usaram este ano enquanto que para 9% ainda não houve uma oportunidade. Os dados são baseados numa enquete realizada entre os dias 15 a 22 de maio com a participação espontânea de 34 leitores.

Segundo o 35º relatório de comércio virtual Webshoppers, realizado pela Ebit, as compras na web cresceram 7,4% em 2016. O faturamento ultrapassou R$ 44 bilhões. As mulheres foram as principais consumidoras: 51,6%. A previsão é que as transações em todo o país registrem crescimento de 12% em 2017. Isto significa quase R$ 50 bilhões.


Envie também o seu artigo para opiniao@canalicara.com. Para ter o texto publicado é necessário se identificar. A postagem não significa que o portal concorde com a opinião.