Canal Içara

Canal Içara

03 de julho de 2020 - 10:27
Viaduto Ângelo Giassi em obras: grades de proteção são substituídas por muros
29/11/2019 às 16:12 | Leitor-repórter: Marlene Marcos
A deterioração das grades era uma preocupação no Viaduto Ângelo Giassi. As estruturas metálicas estavam apodrecidas e, por isso, poderiam cair sobre os veículos ou machucar os pedestres que fazem a travessia da Rua Anita Garibaldi, no Centro de Içara, para a Rua Djalma Marques Escaravaco, no bairro Jardim Elizabete, por baixo da Rodovia Paulino Búrigo (SC-445). A opção da Prefeitura Municipal foi implantar muretas. Agora, a preocupação dos pedestres é com a falta de visibilidade e consequentemente a insegurança a noite.

“Em tempos de tanta preocupação com o aumento da violência, a Prefeitura fez esse absurdo no viaduto Ângelo Giassi. Um corredor do terror, que, com certeza, vai ser palco de alguma coisa ruim, seja assalto, assédio ou coisas parecidas. São dois paredões. Dá medo. Antes com as grades tinha visibilidade dos carros, de quem estava do outro lado. Agora ficou só um corredor fechado. Sem contar que não tem nenhuma saída de água. Dia de chuva forte não vai dar de passar”, indica a moradora do bairro Jardim Elizabete, Marlene Marcos.

Conforme o presidente da autarquia municipal de serviços urbanos (Samae), Geraldo Baldissera, a construção foi realizada após estudo de engenharia para mais segurança. “A estrutura estava podre, com ferrugem. Ainda vamos ampliar a iluminação no local e as grades sobre a SC-445 serão substituídas por outras com características que façam alusão ao título de Capital Catarinense do Mel”, indica. Ainda segundo ele, a conclusão deverá ocorrer até janeiro.


Coworking: um mesmo endereço para diferentes empresas
18/11/2019 às 08:00 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
Espaços compartilhados tornaram-se uma opção para reduzir custos e gerar novas redes de contato. O conceito de coworking surgiu em 1999 em São Francisco, nos Estados Unidos. E desde então, tornou-se uma referência mundial para o inventivo a inovações. São ambientes compartilhados que permitem a interação de diferentes empresas. E, dependendo da legislação municipal, permite que o espaço seja mais do que um endereço de trabalho e correspondência. Pode ser também um endereço fiscal.

E de acordo com os internautas do Canal Içara, a cidade já tem demanda. Ao todo, 89 leitores fizeram parte de uma enquete do portal entre os dias 11 e 18 de novembro. Dentre eles, 9% informaram já ter utilizado um coworking em outro município e outros 29% informaram nunca terem usufruído, pois não há na cidade, ou seja, também têm interesse. Para 42% este ainda é um termo novo e 20% informam que o modelo não se enquadra a atividade atual.

O valor para uso dos coworkings varia conforme cada região e ainda os serviços disponíveis, por exemplo, salas executivas, videoconferência, suporte e até a office-boy. Conforme dados disponibilizados pela Associação Nacional de Coworking e Escritórios Virtuais, o país tem aproximadamente 1 mil escritórios compartilhados legalizados. Ao todo, o modelo representa um faturamento de R$ 540 milhões ao ano.


Enquete: crescimento de cemitérios deve desacelerar com a cremação
11/11/2019 às 11:23 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
O Dia de Finados é mais do que uma data de homenagens. É também um momento de reflexão sobre a vida e de curiosidade sobre a despedida. Até poucos anos atrás, o sepultamento em cemitérios era a única opção. Com o processo de cremação disponível dentro da cidade, a tendência agora é outra.

Ao todo 61% dos leitores do Canal Içara optariam pela cremação se pudessem escolher. Outros 33% ainda preferem a tradição. Apenas para 6%, não faz diferença uma das duas alternativas. Ao todo, 288 internautas votaram espontaneamente entre os dias 28 de outubro e 11 de novembro na enquete realizada pelo portal.


E-mail e telefone perdem cada vez mais espaço para o WhatsApp
28/10/2019 às 10:31 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
A possibilidade de salas de bate-papo e troca de mensagens privadas existe desde o surgimento da Internet no Brasil em 1994. Começou com o Internet Relay Chat, uma ferramenta simples e rústica de comunicação pela Internet. E desde então, a inovação tem sido encontrar novas formas estabelecer conexões. O WhatsApp é a opção mais popular.

Entre os leitores do Canal Içara, 89% preferem ser contatados pelo WhatsApp. Para 6%, as ligações telefônicas ainda representam importância. E 3% avaliam como melhor opção a troca de e-mails. Além disso, 3% indicam outras opções. Ao todo, 156 internautas participaram espontaneamente da enquete entre os dias 21 e 28 de outubro.

O WhatsApp soma mais de 1,5 bilhão de contas ativas no mundo. Trata-se do aplicativo mais popular no planeta. A posição, até então atribuída ao Facebook, foi assumida em setembro de 2018. Somente no Brasil, são mais de 120 milhões de números cadastrados no aplicativo diante de um universo de 230 milhões de linhas móveis ativas.


Para Internautas, comércio de rua ainda tem preferência
21/10/2019 às 07:42 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
O contato com os produtos, o atendimento interpessoal e a possibilidade de negociar preços não faz parte do ambiente virtual. E assim o comércio de rua ainda ganha a preferência mesmo entre os internautas. Ao todo, 45% dos leitores do Canal Içara manifestam fazer esta opção. Outros 33% indicam a escolha por lojas on-line, 16% pelos shoppings e 7% por outras opções. Os dados refletem a opinião de 103 participantes espontâneos da enquete realizada pelo portal de 14 a 21 de outubro.

Em Santa Catarina, o comércio de rua também tem a preferência. Conforme dados da Fecomércio/SC, no Dia das Crianças 74,5% das compras estavam direcionadas a estas lojas. Neste caso, os shoppings ficaram em segundo lugar com 17,4% e a Internet com 3,2%. Entre as motivações dos consumidores foram indicadas o preço (40%), promoção (23,0%) e atendimento (17%).


Envie também o seu artigo para opiniao@canalicara.com. Para ter o texto publicado é necessário se identificar. A postagem não significa que o portal concorde com a opinião.