Canal Içara

Canal Içara

18 de julho de 2018 - 17:05
Onde estão as lideranças de vestiário? Por que o elenco é tão frio?
14/07/2018 às 00:30 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
O Criciúma perdeu para o Goiás por 2x1, nesta sexta-feira, dia 13, em Goiânia. Derrota que mantém o time criciumense na penúltima colocação da Série B do Brasileiro. Essa permanência no Z4 incomoda e preocupa. O Tigre não pode se acostumar com a permanência na zona de rebaixamento. É preciso lutar incessantemente para sair da parte de baixo da tabela. Parece óbvio dizer isso, porque é claro que a intenção de todos os times é ficar longe da zona da degola.

Mas o Criciúma, pelo futebol que apresenta, não parece tão disposto a dar a volta por cima o mais rápido possível. É aí que os jogadores podem cair no erro de procrastinar a reação. Se deixar para fazer os pontos necessários para escapar do rebaixamento só no fim da competição, pode ser que a equipe não tenha força suficiente para engrenar uma sequência positiva e acabe patinando no Z4.

Abrir a tabela de classificação e ver o Criciúma sempre entre os quatro últimos da tabela, além de preocupar, acaba abalando a imagem da equipe perante aos adversários. O Criciúma não é mais aquele clube tão temido dentro de casa, por exemplo. Os adversários enxergam o Criciúma como um clube em crise e tentam se aproveitar do momento delicado da equipe para a obtenção dos três pontos (dentro ou fora de casa).

Com um time desfalcado, o Criciúma teve atuação tímida e poderia ter perdido por placar até mais do que um gol de diferença. Na segunda etapa, o Goiás estava mais perto de ampliar a vantagem do que o Criciúma de empatar o jogo. A sensação que fica é que se o Goiás quisesse “apertar” mais, conseguiria aplicar até uma goleada no tricolor Sul-catarinense.

Artur, que jogou na lateral-esquerda do Tigre, falhou na marcação e deixou o adversário livre para dominar cara a cara com o goleiro Luiz no segundo gol do time esmeraldino. Falha primária que comprometeu a partida. Erro crasso.

O elenco do Criciúma é um dos mais “frios” que já vi jogar nos últimos tempos. Falta o tal do “sangue nos olhos”. Falta um atleta cobrar do outro com firmeza, com olhar de quem dá o máximo para obter a vitória.

O técnico Mazola Júnior consegue formar um time minimamente organizado para os confrontos. Porém, técnico nenhum consegue vencer se seus jogadores não correrem e executarem as jogadas com competência. O problema principal desse time é falta de lideranças. Sim, lideranças: no plural.

Quem manda no vestiário são os atletas. Quando não há um coletivo unido, com lideranças, cada um faz o que quer dentro de campo e acha que está tudo certo. A cada derrota ou empate (dentro ou fora de casa) vem algum jogador dar explicações pífias de que “hoje não deu certo”, “tentamos de tudo”, “levantar a cabeça para o próximo jogo”, etc. Mas não é bem assim que as coisas funcionam.

A Série B tem 38 rodadas e, ao contrário do que alguns pensam, cada ponto desperdiçado faz toda diferença lá no fim da competição. Já que dificilmente virá ao clube jogadores de qualidade nessa altura do campeonato, é momento de os jogadores se unirem cada vez mais para evitar o rebaixamento da equipe. Isso seria um vexame e a torcida do Criciúma não merece passar por isso. A apaixonada torcida não merece.


Adeus à taça: Brasil se despede da Copa do Mundo
06/07/2018 às 19:56 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
Fim da linha para o Brasil na Copa do Mundo. A seleção brasileira se despede com uma derrota por 2x1 diante da Bélgica, nesta sexta-feira, dia 6. Os gols da Bélgica foram anotados por De Bruyne e Fernandinho (contra). Renato Augusto descontou para o time brasileiro.

É difícil assimilar isso nesse momento, mas o sonho do hexa foi adiado por, no mínimo, mais quatro anos. Queda nas quartas de final em um jogo tenso, nervoso, apressado. Jogo em que as principais estrelas do Brasil não brilharam. Neymar não brilhou, Coutinho não brilhou, Gabriel Jesus não brilhou, nem Willian brilhou. Paulinho não surpreendeu no setor ofensivo; Fernandinho comprometeu; Fagner fez o feijão com arroz, Marcelo buscou jogo, atacou, partiu pra cima, jogou bem. O ataque foi pífio. Diversas chances criadas e desperdiçadas. Em Copa do Mundo não se pode errar tanto assim. Roberto Firmino entrou e fez o possível, merecia ter começado o jogo na titularidade.

Destaque para o zagueiro Miranda. O jogador foi praticamente perfeito no jogo. Thiago Silva também fez sua parte e manteve a regularidade. A dupla de zaga fez ótima Copa do Mundo. O goleiro Alisson não brilhou, mas também não teve culpa nos gols sofridos.

A maior decepção do dia foi a dupla Coutinho e Neymar. Philippe Coutinho estava nervosíssimo na partida, errou passes que geralmente não erra, finalizou pouco e quando conseguia era aquela bola prensada na zaga adversária.

Douglas Costa fez bela atuação. Chamou a responsabilidade e tentou superar a marcação adversária na velocidade. Jogou bem, mas não conseguiu balançar as redes. Renato Augusto entrou, fez o gol e colocou fogo já partida. Porém, logo em seguida teve chance de marcar o segundo gol e desperdiçou.

Neymar não desequilibrou. O camisa 10 da seleção até que deu algumas arrancadas, chutou a gol, mas nada de extraordinário. Era o que se esperava do TOP 3 do mundo. Na segunda fase do mundial, Cristiano Ronaldo foi eliminado com atuação apagada; Messi também, da mesma forma. Com o Neymar não foi diferente.

Mas o Neymar tem um conjunto de atletas de qualidade jogando junto com ele e isso faz com que a seleção brasileira se torne uma das favoritas ao título, com o terceiro melhor jogador do mundo e um grupo consistente, com jogadores que atuam em gigantes clubes da Europa. Mas isso, só na teoria.

Não deu! A Bélgica foi superior na partida, obteve/manteve a vantagem no placar e merece estar na semifinal. Resta ao Brasil, aguardar quatro anos, se preparar e planejar a próxima trajetória rumo ao hexa.


Empate não agrada: Criciúma patina na zona de rebaixamento
06/07/2018 às 02:07 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
O Criciúma deixou a vitória escapar nesta quinta-feira, dia 5, no Estádio Heriberto Hülse, ao empatar em 1x1 com o Figueirense. Com o resultado, o Tigre patina na zona de rebaixamento e adia mais uma rodada a possibilidade de sair do Z4.

O Criciúma cedeu o empate e não teve forças para fazer o segundo gol contra o time da capital. O atacante João Paulo fez lindo gol após arrancada com a bola partindo do meio de campo. Esse lance é o destaque da partida e o atleta merece ser parabenizado pela boa atuação.

Mas o time criciumense, que foi completamente superior na primeira etapa, voltou para o segundo tempo com postura diferente e não conseguiu se manter superior no jogo. Quando sofreu o empate, aos 30 minutos do segundo tempo, o Criciúma até tentou esboçar uma pressão, mas o time se viu em meio a um jogo com muitas faltas anotadas, com pouca bola rolando. Foi assim até o apito final.

Dadas as circunstâncias do jogo, o empate é positivo para o Figueirense, que buscou a igualdade no placar na parte final da segunda etapa. Para o Criciúma, o empate serve mais para deixar o time por mais tempo entre os quatro últimos colocados na tabela. Situação delicada/desconfortável que exige atenção. O próximo jogo é dia 13, contra o Goiás, às 20h30, no Estádio Olímpico, em Goiânia.


Deu certo! Gol de bola parada nos minutos finais
30/06/2018 às 23:40 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
O Criciúma venceu a equipe do São Bento/SP por 1x0, aos 40 minutos do segundo tempo. Gol de bola parada, de cabeça, do volante Liel. O gol simboliza que o Tigre não está inerte na zona de rebaixamento. É como o peixe fora da água, que se debate em busca de oxigênio. Esse é o Criciúma: um time que está em situação extremamente desconfortável e tenta tomar fôlego para escapar ao ambiente ideal (fora da zona de rebaixamento).

Só que o jogo contra o time paulista não agradou no tocante a atuação. Jogo pobre tecnicamente e taticamente. As duas equipes apresentaram carências ofensivas. O jogo parecia se encaminhar para um empate. A equipe criciumense pressionou no final do jogo e conseguiu balançar as redes. Porém, caso o jogo terminasse empatado também não seria injusto.

O jogador Ralph não fez boa partida. Foi escalado pelo técnico Mazola Júnior para suprir a ausência do lateral-direito Sueliton, mas não correspondeu. O atleta parecia nervoso e inseguro. Falhou em lances simples de domínio de bola e marcação. O atacante Zé Carlos, que sempre se espera algo a mais, também não teve atuação aceitável. Inclusive não teve tranquilidade para definir lanes que costumeiramente manda a bola para as redes. O zagueiro Nino se destacou no setor defensivo e foi um dos melhores em campo. Nino tem potencial para se tornar um dos melhores zagueiros do país.

O Criciúma obteve os três pontos no Estádio Heriberto Hülse e dá passo importante para a saída do Z4. Na sequência, em casa, o Tigre enfrenta o Figueirense, às 21h desta quinta-feira, dia 5. Uma possível vitória tricolor poderá deixar o time fora da zona de rebaixamento ao término da 14ª rodada da Série B do Brasileiro.


Derrota em confronto direto e permanência na vice-lanterna
22/06/2018 às 00:25 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
A saída da zona de rebaixamento parece um desafio extremamente difícil para o Criciúma. Não é a primeira vez que o Tigre tem a chance de escapar da zona da degola. Só que mais uma vez sofreu a derrota e permanece na vice-lanterna da Série B do Brasileiro. O Brasil de Pelotas estava uma posição acima, com um ponto a mais que o Tigre. Era confronto direto, também chamado de “jogo de seis pontos”.

A atuação da equipe foi abaixo do esperado. O time não mantém a regularidade em suas atuações. O time catarinense até tentou pressionar em busca do empate na segunda etapa, mas esbarrou na falta de qualidade técnica. Os chutes a gol pouco assustaram e a dificuldade em fazer a bola circular com eficiência permanece. Time sem objetividade ofensiva.

O gol da vitória do time gaúcho aconteceu graças à falha de marcação na defesa de bola parada aérea. Bola alçada na área e gol de cabeça na “gaveta”. O Brasil de Pelotas também tem um elenco limitado tecnicamente, mas saiu de campo vitorioso e fora da zona de rebaixamento. E o Criciúma? O Tigre terá um jogo importante em casa, no próximo sábado, dia 30, às 18h. O adversário é o São Bento/SP.



*Erik Borges Vieira é jornalista e torcedor do Criciúma Esporte Clube