Canal Içara


24 de junho de 2017 - 04:10
Dever de casa cumprido: vitória sobre o Paraná Clube
24/06/2017 às 01:50 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
O Criciúma cumpriu o dever de casa e venceu o Paraná por 2x1, no Estádio Heriberto Hülse, nesta sexta-feira, dia 23. Resultado importantíssimo, visto que o Tigre joga os dois próximos jogos fora de casa, diante de Vila Nova/GO e Internacional/RS.

No momento em que a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro está equilibradíssima, somar de três em três pontos (em vez de apenas um) é extraordinário, porque faz com que a equipe se destaque das demais, no sentido em que o Criciúma avança a passos largos e aproveita o ‘fator casa’ para pontuar na competição.

font class=subtitulo>Jogo misterioso<

A partida entre o Criciúma e a equipe paranaense pode ser considerada misteriosa. Porque é impossível saber qual seria o desfecho do jogo caso o atleta do Paraná Clube não tivesse sido expulso na metade do primeiro tempo.

O lateral Cristovam recebeu cartão vermelho no momento em que o Paraná começava a gostar do jogo. O time chegava com perigo e parecia motivado a obter os três pontos fora de casa.

Mas o Criciúma, que ficou com um jogador a mais, aproveitou bem a vantagem numérica de atletas. A estrela de Lucão brilhou novamente. O centroavante do Tigre fez gol até de bicicleta. O camisa 9 demonstra ter muitos recursos técnicos para balançar as redes adversárias.

Além disso, o time estava desfalcado, sem a dupla de zaga considerada titular e sem o volante Ricardinho. Todos fora do jogo por acúmulo de cartões amarelos. Porém, a equipe se comportou como se estivesse completa. Os substitutos corresponderam às exigências necessárias.

Isso é importantíssimo para uma competição longa como a Série B. Uma boa equipe não conta apenas com 11 jogadores. Em pontos corridos, todo o elenco é importante para manter o time em boa fase. O Criciúma conta com jogadores reservas que dão conta do recado quando requisitados.


Fora do Z-4: vitória com atuação agradável
21/06/2017 às 01:51 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
É bom ver o Tigre vencer dois jogos consecutivos. É positivo obter pontos fora de casa. Porém, o mais importante neste momento é avaliar a maneira como esse time se apresenta. Essa avaliação é extremamente positiva.

É bonito de ver o Criciúma jogar, ao menos nas últimas rodadas. Ainda não está com o futebol ideal, principalmente pelo condicionamento físico, mas está aceitável e competitivo. Porque, nas as rodadas iniciais, esse mesmo elenco assustou os torcedores com sequência de atuações deprimentes.

Recuperar o tempo perdido
É correto afirmar que a equipe mudou da água para o vinho. Mas é impossível prever se essa mudança é permanente ou temporária. Apenas a sequência da competição irá mostrar.

O fato é que o time está com a cara do treinador: perseverante, com garra, vontade de vencer. É nítido. Os jogadores do Criciúma finalmente caíram na realidade de que é preciso acordar para a Série B. O Tigre acordou e está disposto a recuperar o tempo perdido.

O jogo
O Criciúma venceu o Londrina por 1x0, com gol de Silvinho. Mas o lance foi todo construído por Douglas Moreira. É gritante a qualidade do Dodi. Joga muita bola esse garoto.

Só que nesse jogo, todos os jogadores do Criciúma cumpriram suas respectivas funções com competência. O time jogou como um relógio, com todas as engrenagens funcionando corretamente. Foi uma partida equilibrada, o Londrina teve boas chances de balançar as redes.

Mas, às vezes, é dia de a bola bater na trave e sair e, às vezes, é dia de a bola bater na trave e entrar. Dessa vez, dia de a bola bater na trave, percorrer rende à linha do gol e sair do outro lado da baliza. Assim é o futebol. Criciúma fora da zona de rebaixamento.

Confira o "Minuto da Resenha":


Lucão deixa boa impressão: dois gols e uma assistência
17/06/2017 às 00:22 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
A camisa 9 do Criciúma tem novo dono. É Lucão, de 1,85m e 25 anos. O centroavante tricolor estreou com dois gols e uma assistência na vitória do Tigre, por 3x2, sobre o Guarani/SP. Estreia dos sonhos. Atleta jovem, que busca fazer história no Tigre.

A impressão deixada no primeiro jogo é sensacional. Não existe bola perdida para Lucão. Jogador com garra, concentração e, acima de tudo, com sangue nos olhos. Em único jogo, Lucão ajudou mais o Criciúma do que Jheimy e Zé Roberto juntos. A titularidade dele na sequência do campeonato é incontestável.

Condicionamento físico
O time criciumense continua sem condicionamento físico adequado. A equipe perde totalmente as características a partir da metade do segundo tempo. Foi assim contra o Figueirense e se repete diante do Guarani. É extremamente preocupante ter um time sem preparo físico para aguentar 90 minutos de jogo.

Embora os atletas demonstrem garra e determinação, é preciso saber dosar os momentos de correria e de administração de resultado. Será que nunca desconfiaram o motivo de os adversários não imprimirem ritmo alucinante do início ao fim do jogo? Justamente porque é preciso ter estratégia para, no momento certo, exigir um pouco mais do corpo.

O time comandado pelo técnico Luiz Carlos Winck é esforçado, mas inconsequente, tendo em vista que cansa e não se sente em condições de proteger a própria baliza. Uma partida dura 90 minutos, com alguns minutos de acréscimo. Portanto, é dever dos atletas identificarem seus respectivos limites físicos, compreendendo a importância de chegarem aos minutos finais em condições aceitáveis de jogo.

Confira o "Minuto da Resenha":



Começar no 220V e terminar desligado é comportamento amador
14/06/2017 às 01:06 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
Estava tudo tão lindo, tão deslumbrante: Criciúma abre vantagem de 2 gols sobre o Figueirense, no Estádio Orlando Scarpelli. Dois gols de Douglas Moreira, craque do jogo. Bela atuação da equipe Sul-catarinense até a segunda metade do segundo tempo.

A equipe criciumense ligada no 220V, ativa, com muita vontade de vencer. Trocou passes rápidos, chegava com perigo, anulava o ataque adversário, etc. Porém, quando o time não conta com preparo físico ideal, todo esforço acaba sendo ineficiente.

O esforço da equipe Sul-catarinense é perceptível. A equipe realmente se empenhou para obter os três pontos, mas pecou em imprimir ritmo elevado e não conseguir mantê-lo até o fim da partida. O Figueirense aproveitou a queda de rendimento do Tigre e igualou o marcador: 2x2.

Começar no 220V e terminar desligado é comportamento amador. É louvável a intenção de, fora de casa, impor um ritmo intenso ao adversário. Mas, para isso é preciso preparo físico e psicológico.

Caso contrário, o resultado é esse empate com sabor de derrota, que mantém a equipe na zona de rebaixamento. Nesta sexta-feira, dia 16, às 19h15 o Tigre recebe o Guarani, no Estádio Heriberto Hülse. Vencer esse jogo é mais que obrigação.

Confira o "Minuto da Resenha":



Em terra de lanterna, 1x0 é goleada
10/06/2017 às 01:02 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
O Tigre fez o simples: 1x0, jogo no Heriberto Hülse, dever de casa realizado com sucesso. Jogou feio, jogou bagunçado, mas venceu. Três pontos na conta, sem dedução fiscal. Isso significa que, para quem estava na lanterna, 1x0 é goleada. A segunda divisão nacional nunca se importou com estética. A maioria dos jogos são marcados pelo nivelamento entre as equipes.

Não existe aquela história de futebol arte na segunda divisão nacional. A Série B é marcada por jogos truncados, amarrados, tensos. Até a arbitragem colaborou para deixar o jogo fragmentado. Apitou mais que guarda de trânsito. Assim foi o confronto entre Criciúma e CRB, nesta sexta-feira, dia 9, válido pela sexta rodada.

Parabéns aos 1,8 mil torcedores que estiveram no estádio. 1,8 mil corajosos, que saíram de suas casa para apoiar o tricolor Sul-catarinense com um frio de congelar os dedos. O torcedor precisava dessa vitória para retomar a esperança de dias melhores ao clube. Os jogadores precisavam da vitória. Os três pontos chegam em ótima hora. Porém, a pressão continua. O próximo adversário é o Figueirense, na capital do estado. O time precisa ter sequência de bons resultados para adquirir a confiança da torcida. O primeiro passo foi dado, mas o clima continua tenso, de apreensão.

Sabe mexer no time
O técnico Luiz Carlos Winck mexeu certo. Colocou Douglas Moreira no lugar de Alex Maranhão, Ricardinho no lugar de Jocinei e Pitbull para a saída de Zé Roberto. Todas as mudanças no tempo certo. Soube o momento de fortalecer o setor defensivo e manter a vantagem no placar.

Confira o quadro "Minuto da Resenha":



*Erik Borges Vieira é acadêmico de Jornalismo e torcedor do Criciúma Esporte Clube