Canal Içara


15 de dezembro de 2017 - 14:05
A última derrota oficial do ano em jogo de cinco gols
25/11/2017 às 00:54 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
O último jogo do Criciúma em competições oficiais de 2017 resultou em derrota. Com time de maioria formada por atletas oriundos das categorias de base, o Tigre enfrentou o Brasil de Pelotas no Estádio Bento Freitas, que praticamente lotou. O estádio recebeu 9,8 mil pessoas.

Um dos motivos que levaram os torcedores a comparecerem em peso foi a última partida como profissional do jogador Gustavo Papa, que permaneceu no clube durante seis temporadas e ajudou o Brasil de Pelotas a subir de divisão no estadual e no campeonato nacional. Ele fará parte da comissão técnica permanente do clube.

Mas quem não se intimidou foi João Henrique. O meia do Criciúma começou o jogo ligado no 220V. Na primeira etapa da partida só deu ele. Fez belo gol em chute com a bola no ar e, na sequência, ampliou em jogada individual veloz, com direito a chute cruzado no canto.

O primeiro tempo acabou assim. O Criciúma se comportou como se estivesse jogando em casa. Calou os 9 mil torcedores do time gaúcho. Só que o segundo tempo não teve a participação de nenhum salvador da pátria. O time começou desligado e sofreu o primeiro gol no primeiro minuto da segunda etapa. Desse ponto em diante, a pressão do time da casa prevaleceu. Placar final de 3x2.

O goleiro Luiz, pouco inspirado na noite desta sexta-feira, dia 24, falhou no primeiro gol sofrido e nada contribuiu para evitar o segundo e o terceiro. O time se desorganizou no segundo tempo e viu a derrota acontecer naturalmente. O time que entrou em campo na segunda etapa parecia totalmente diferente do Criciúma dos 45 minutos iniciais.

Mesmo assim, o resultado não foi nada humilhante. Os jogadores não souberam lidar com a pressão adversária e acabaram cedendo a virada no placar. A temporada encerra com derrota. Temporada que passa em branco, sem títulos.


Empate com o Ceará no jogo das possíveis despedidas
19/11/2017 às 03:18 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
O último jogo oficial do Criciúma em 2017 (no Estádio Heriberto Hülse) ocorreu neste sábado, dia 18. Válida pela 37ª rodada da Série B do Brasileiro, a partida encerrou em 1x1. Foi o jogo das despedidas. Boa parte desse elenco que disputou a temporada não irá continuar a vestir a camisa tricolor no ano que vem. A exemplo de Diego Giaretta, que tem interesse por parte do Fortaleza/CE e Caio Rangel (acertado com o Cruzeiro), é possível que alguns jogadores tomem rumos diferentes do Criciúma na temporada seguinte.

Até a permanência do goleiro Luiz, que tem longo contrato com o clube, passou a ser questionada. O atleta admite que um clube paulista tenha interesse em contratá-lo, mas nega qualquer acerto, se diz surpreso com os xingamentos da torcida e reitera que em momento algum declarou que sairia do Criciúma. Na volta do intervalo do jogo diante do Ceará, alguns torcedores entoaram cânticos com os dizeres: “Luiz mercenário”, em alusão a uma possível negociação do atleta com algum clube.

Ainda não é possível confirmar quem fica e quem sai. Mas o que dá para afirmar é que esse grupo de jogadores não conquistou a simpatia da torcida, não apresentou um bom futebol ao longo da competição nacional e poderá fazer parte de mais um plantel (de tantos) formado pelo Criciúma e desfeito no ano seguinte sem ter conquistado nada.

O jogo
Já garantido na Série A do ano que vem, o Ceará não viu motivação para brigar pela vitória. Do mesmo modo o Criciúma, que só cumpre tabela há algumas rodadas. Em confronto de duas equipes sem mais ambições, um empate sem fortes emoções, com baixa criatividade em campo, assemelhando-se a um jogo-treino.



Empate com o vice-lanterna e o pedido de demissão do técnico
15/11/2017 às 01:53 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
Mais um capítulo de constrangimento envolve o Criciúma na Série B do Campeonato Brasileiro. Para falar a verdade, o ano de 2017 não foi muito proveitoso para o tricolor. Um time coadjuvante em todas as competições que participou, não trouxe nada de surpresas para si durante a temporada e passa a se arrastar durante as últimas rodadas da segunda divisão nacional.

O que parece é que a equipe não vê a hora de pendurar a camiseta no cabide, desamarrar as chuteiras, tirar as caneleiras e sair de férias. Cada um para a sua cidade, visitar seus respectivos familiares e apenas isso. Não há nada de errado em almejar o período de férias, de descanso após uma temporada exaustiva, etc. O problema é que a temporada ainda não acabou. É preciso manter o foco e, principalmente, o profissionalismo.

A derrota humilhante para o ABC foi apenas mais um capítulo dessa trajetória desanimadora que o elenco apresentou. Porque nesta terça-feira, dia 14, o Tigre empatou em 0x0 com o Náutico, vice-lanterna da Série B e (finalmente) está matematicamente livre de rebaixamento. Mas foi um empate em que nenhuma das equipes esboçou qualquer tipo de qualidade técnica e inteligência tática. Foi um empilhado de jogadores que participaram de uma “pelada” de 90 minutos.

Restam duas rodadas para o fim da competição. O próximo adversário do Tigre é o Ceará, que precisa apenas de um empate para se garantir matematicamente na Série A do ano que vem. Pelo futebol que o Criciúma apresentou nos últimos jogos, o confronto preocupa. Isso porque o time cearense tem qualidade suficiente para, inclusive, aplicar uma goleada em pleno Estádio Heriberto Hülse. O empenho que falta aos atletas do Criciúma sobra para os jogadores do Ceará.

Além disso, o técnico Beto Campos pediu demissão após o empate com o Náutico. Esse é mais um trabalho para o departamento de futebol do clube: encontrar um novo treinador que vista a camisa do clube com coragem e determinação. Trazer técnicos em começo de carreira para ganhar experiência aqui não é interessante, como já fizeram com Petkovic e Deivid.

É preciso trazer alguém que tenha consciência da grandeza que esse clube tem. Alguém que de fato entenda a representatividade que o Criciúma Esporte Clube tem. O Criciúma é time grande. O orçamento está reduzido, isso é fato. Mas se contratarem profissionais, repito, profissionais competentes e comprometidos com o projeto 2018, com certeza será possível realizar uma temporada de sucesso no ano que vem.




Com time misto, lanterna da Série B vence o Criciúma
11/11/2017 às 04:04 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
Parece até brincadeira. O ABC, lanterna da competição (praticamente rebaixado), com três garotos Sub-19 e um Sub-20 em campo, que passa por diversos transtornos na diretoria, que teve seu presidente declarando renúncia nesta sexta-feira, que já desistiu da permanência na Série B, deu aula de futebol ao Criciúma.

É uma vergonha sem tamanho saber que um elenco que joga há meses junto se encontrou totalmente desesperado e perdido em campo no segundo tempo de jogo. É entristecedor saber que o Criciúma quase voltou do Rio Grande do Norte com uma enorme goleada na bagagem. É preocupante saber que boa parte do elenco que está aí não tem a coragem de chegar para o companheiro para cobrá-lo por falta de empenho, porque (com exceção a alguns) a maioria não faz nem sua parte em campo.

Sobre os gols sofridos nessa derrota por 3x1, não é necessário apontar a preguiça de marcação do sistema defensivo nos dois gols de bola rolando. Isso já nem é tão espantoso. O que impressiona de verdade no jogo disputado no estádio Frasqueirão é um lance em especial: o pênalti.

Antes de falar da cobrança em si, é preciso destacar que a penalidade foi bem marcada, pois o zagueiro Raphael Silva chegou totalmente equivocado na dividida e comprometeu o lance. Mas o que mais chama atenção é a pós-cobrança de pênalti. Porque o goleiro Edson fez belíssima defesa, mas concedeu o rebote. Aí que entra a falha mais grotesca do jogo.

Os atletas do Criciúma tiveram a displicência de deixar o adversário adentrar na área totalmente livre para executar o chute no rebote. Os jogadores do Tigre ficaram estáticos assistindo o atleta do ABC/RN finalizar a gol.

São lances assim que deixam o torcedor triste. É essa falta de comprometimento que transforma o atual elenco do Tigre em um grupo de jogadores que não representam o Criciúma do jeito certo: com alma, garra e coração.


Vitória ao natural com atuação dominante do Criciúma
08/11/2017 às 02:53 | Erik Borges - erik.borges@canalicara.com
Após cinco jogos, o Criciúma finalmente volta a vencer na Série B do Campeonato Brasileiro. O Tigre superou o Boa Esporte/MG, no Estádio Heriberto Hülse, por 2x0. Os gols foram anotados por João Henrique e Lucão. O placar até não foi elástico, mas a atuação da equipe tricolor foi interessante. O Criciúma conseguiu colocar o Boa Esporte na roda em vários momentos e controlou a vantagem no placar com tranquilidade.

No início do primeiro tempo o Boa Esporte até assustou ao tomar a iniciativa dos ataques. Mas isso durou pouco. Porque o Tigre conseguiu se encontrar na partida e o sistema defensivo soube anular as jogadas do adversário. O goleiro Luiz precisou trabalhar pouco no jogo desta terça-feira, dia 7, válido pela 34ª rodada.

Nos dois gols anotados pela equipe tricolor foi preciso driblar o goleiro. Quando o goleiro chega a ser driblado em duas oportunidades do jogo é porque a zaga deixou muito a desejar. De fato. O sistema defensivo do Boa Esporte não conseguiu acompanhar a velocidade e o oportunismo dos jogadores do Criciúma.

Silvinho partiu diversas vezes em velocidade pelos flancos e sempre com muita facilidade. Caio Rangel (que entrou no segundo tempo) também se viu à vontade para driblar, enquanto Lucão conseguiu, além de balançar as redes, protagonizar finalizações perigosas.

Dessa forma, com 46 pontos (nona posição), o Criciúma praticamente se livra de qualquer possibilidade de rebaixamento. O objetivo fixado pela diretoria do clube é que a equipe termine a competição pelo menos entre os oito primeiros colocados.


*Erik Borges Vieira é acadêmico de Jornalismo e torcedor do Criciúma Esporte Clube