Canal Içara


22 de outubro de 2017 - 15:41
Defendendo o título, Farben tem chance de ser campeã invicta no Interfirmas
19/10/2017 às 12:15 | Eduardo Oliveira - eduardo.oliveira@canalicara.com
A Farben vem forte para a decisão do Futsal Interfirmas de 2017. Com uma campanha de encher os olhos e um aproveitamento campeão de 83%, a equipe defende o título conquistado no ano passado, quando venceu o Giassi Frigorifico/Castagneti por 5x2.

Desde que começou a competição, no fim de agosto deste ano, a Farben não sabe o que é perder. Ainda na primeira fase da competição se classificou em segundo lugar com 14 pontos acumulando quatro vitórias e dois empates. Nas fases eliminatórias venceu sem sustos a Massa da Boa por 6x3, além de vencer o Giassi Frigorifico na semifinal por 4x3.

O time tem tradição no Interfirmas. Já levantou o caneco em duas oportunidades, além de um vice-campeonato. Antes mesmo de iniciar em 2017 era considerada uma das favoritas, juntamente com Budny e Giassi Frigorifico, que também tem tradição na competição.

Nesta decisão inédita, a Farben enfrenta a estreante Prefeitura. A única certeza é de que teremos sem dúvida uma final eletrizante. As duas finalistas tiveram um confronto ainda na fase de classificação e na ocasião empataram em 1x1, o que prova que quando se trata de final é difícil apontar um favorito.


Derrubando gigantes: após bater favorito, Prefeitura pode surpreender
18/10/2017 às 12:14 | Eduardo Oliveira - eduardo.oliveira@canalicara.com
A Prefeitura é finalista do Futsal Interfirmas 2017. Mesmo sem um aproveitamento tão bom quanto a Farben, a equipe fez uma bela campanha e chega a decisão após eliminar nos pênaltis a favorita Budny na semifinal. A única certeza possível é de uma final eletrizante no Ginásio Ergínio Januário Borges às 21h de sexta-feira, dia 20.

Ainda na primeira fase, a equipe de servidores municipais se classificou em terceiro lugar com 13 pontos com quatro vitórias, um empate e apenas uma derrota. A principal motivação para surpreender na final é o último jogo contra a Budny, em que mesmo atrás no placar manteve a calma, conseguiu o empate e a classificação nos pênaltis.

Nesta decisão inédita, pelo futebol apresentado até aqui, será difícil apontar um favorito. As duas finalistas tiveram um confronto neste Interfirmas ainda na fase de classificação e na ocasião empataram em 1x1, o que prova que, quando se trata de final, é difícil apontar um favorito.


Final não tem favorito, mas o que dizem os números?
05/10/2017 às 09:21 | Eduardo Oliveira - eduardo.oliveira@canalicara.com
Com dois elencos fortes numa final, em que como sempre dizem não há favorito, é difícil apontar qual das equipes levará o título. Porém, o Real Içara está alguns passos à frente do rival Barão do Rio Branco nos números. O time tem melhor campanha, ataque e defesa mais efetivos do que o plantel do bairro Aurora.

O Barão e o Real Içara garantiram vaga na decisão ao eliminarem, respectivamente, Vila Nova e Juventus nas semifinais. Mas quem será o campeão só saberemos no próximo domingo, dia 8, com embate em campo neutro, no Estádio Municipal Dego Rocha (Complexo Esportivo João Ramos Roussenq), no bairro Primeiro de Maio.

Fase de classificação e mata-mata

A campanha do Real na primeira fase do campeonato foi impecável. Foram quatro vitórias e apenas um empate. O Barão, por vez, passou mais dificuldades. Conseguiu uma vitória somente na última rodada. Antes havia somado três empates e uma derrota.

Na fase eliminatória o Barão cresceu e melhorou muito. O time conquistou uma vitória maiúscula contra o favorito Presidente Vargas por 3x1 e surpreendeu novamente na semifinal ao eliminar nos pênaltis mais um favorito, o Vila Nova. Já o Real manteve a regularidade com vitória nos dois confrontos eliminatórios no tempo regulamentar.

APROVEITAMENTO: Considerando as duas campanhas até o momento, o Real Içara tem um aproveitamento incrível de 90% e chega a final de forma invicta. Já o Barão do Rio Branco, após a evolução no mata-mata, chega a decisão da Taça Dilnei Darcy Lima com 57% de rendimento na pontuação conquistada.

Gols feitos e sofridos

Em termos de ataque, o Real também leva vantagem em relação ao adversário. Ao todo, foram 22 gols marcados em sete jogos. O Barão marcou 10 no mesmo número de confrontos. Além disso, a defesa do Real Içara mostrou mais eficiência. Mesmo assim, os dois times tem média próxima de um gol sofrido por jogo e um sistema defensivo bem definido. Enquanto o Barão tomou oito gols em sete partidas (média de 1,14), o Real tomou cinco (média de 0,70).


Real Içara e Barão do Rio Branco mostram estratégias eficazes
01/10/2017 às 23:09 | Eduardo Oliveira - eduardo.oliveira@canalicara.com

Após a definição dos finalistas do Campeonato Içarense ficam as indagações de qual time utilizou a melhor estratégia, já que o nível técnico das equipes que disputavam a semifinal se equiparava. Prova disso são os placares apertados na vitória por 2x1 do Real definida somente aos 44 do segundo tempo, bem como a classificação do Barão somente nas penalidades, depois do empate em 1x1 no tempo normal.

Cada um a seu modo, Real e Barão tiveram o mérito de conseguir anular as principais características dos adversários e impor uma proposta de jogo. Para o jogo da final, o Real tem como trunfo um elenco muito qualificado com vários jogadores experientes que disputam as mais diversas competições de futebol amador da região. Apesar de debutante no Içarense ainda assim é um time cascudo.

O Barão, por vez, conta com a tradição de um time que, considerando aspirante de anos anteriores e titular já soma quatro títulos e três vice-campeonatos. Além disso, neste ano tem um time renovado, numa mescla de jogadores experientes e jovens promissores. Por isso, a final do Içarense deverá ser um jogo de ótimo nível técnico. O grito de campeão será daquele que menos errar. É imprescindível portanto a análise prévia dos adversários.


Clima esquenta já na segunda rodada do Futsal Interfirmas
07/09/2017 às 20:02 | Eduardo Oliveira - eduardo.oliveira@canalicara.com
O clima esquentou no encerramento da 2ª rodada do Interfirmas após confusão generalizada em duas partidas: Giassi Frigorifico/Castagnetti x Paletiza e Farben(A) x Farben(B). Na primeira ocorrência, Deivid (Giassi Frigorifico) revidou após receber uma entrada mais dura do jogador Fabiano (Paletiza). O empurra-empurra inflamou a torcida, no entanto, os ânimos se acalmaram após o árbitro decretar a saída dos jogadores e dar continuidade ao jogo.

No jogo seguinte, Farben(A) e Farben(B) sinalizavam que seria um confronto amigável, inclusive posaram para foto oficial juntos. Todavia, nem todos estavam no mesmo clima. Durante a cobrança de lateral a favor da Farben(B), um atleta do time adversário que estava no banco de reservas atrapalhou a cobrança e incendiou no clima. Após muita conversa, mais empurra-empurra e várias explicações o árbitro decidiu expulsar o autor e o jogo seguiu.

A decisão dos árbitros Paulo e Cléber de deixar o jogo seguir e fazerem vistas grossas nas substituições erradas foi criticada pelos times. Alguns até solicitaram à organização que os mesmos não apitem mais seus jogos durante o campeonato da Fundação Municipal de Cultura e Esportes. Os árbitros deram espaço para muita conversa. E a demora em decidir expulsar ou não acabou gerando mais confusão.



Eduardo Oliveira é acadêmico de Jornalismo, apaixonado por futebol e pela informação.