Canal Içara

Canal Içara

20 de fevereiro de 2020 - 23:56
Os Meninos da Guerra na fuga do nazismo
29/08/2013 às 15:26 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
Segurando com força as mãos firmes do pai, o garoto rompe os sonhos de criança e corre na fuga dos soldados nazistas pelos matos de Serniki, na Polônia, no inverno de 1939. Com pouco mais de três anos, não sente medo e confia que na proteção do pai nada irá lhe acontecer. A história de Hilel Silberfarb, um sobrevivente das barbáries do holocausto, hoje conhecido como Guilherme, vivendo no Rio Grande do Sul é relatada no livro: Os Meninos da Guerra, de Wilson Amaral.

Guilherme e seu pai Samuel, foram os únicos sobreviventes de uma família de quatro filhos e esposa da perseguição monstruosa do movimento fascista. Foram quase seis anos vivendo nos matos escondidos em tocas e árvores e comendo raízes e caças. E, como se não bastasse à batalha diária para se esconder dos soldados, os ferimentos provocados por balas de fuzis e doenças como o tifo, nas precárias condições de saúde, seria mais um conflito na luta incessante de pai e filho para manterem a vida.

O relato comove pelos acontecimentos envolvendo uma criança. Mesmo sem oportunidade de vivenciar a inocência da infância e de entender o sentido da violência, teve que amadurecer com o genocídio. O relato rompe o estigma registrado pelos historiadores, de que somente os judeus eram os perseguidos e foram exterminados.

Mostra a violência contra os comunistas, homossexuais, ciganos e, a resistência dos prisioneiros que tentaram fugir e lutaram pela liberdade, num dos episódios de maior atrocidade contra a humanidade deixando marcas profundas na história mundial. Em 1993, Guilherme viria a ser uma importante fonte de pesquisa para ao roteirista Steven Spiller na composição do filme “A Lista de Schindler”, onde mostrou o extermínio a sangue frio de mulheres, crianças e adultos, nos campos de concentração.


Gandhi: O Apóstolo da Não-Violência
05/06/2013 às 13:23 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
Semear a esperança de paz e colher um mundo sem violência é a mensagem encontrada na obra “Gandhi o Apóstolo da Não-Violência – Preces e Mensagens”. O livro conta de forma resumida a vida de um advogado nascido em 1869. Na trajetória entre a Índia e África, ele se transformaria então em um líder político pacifista. Com a força movida pelas palavras, aglutinaria os indianos na luta pela justiça para a libertação e independência da Índia do domínio inglês, sem o uso da violência.

O livro mostra a busca de Mahatma Gandhi pelos caminhos da espiritualidade como uma ferramenta na busca pela verdade e, mesmo sendo membro de uma família abastada, faz do jejum em vários momentos de conflitos, “o sacrifício para o bem dos outros e para a atuação sobre a condição política do país”. Além da presença na história entre a Índia e África com as conquistas políticas e no aprofundamento da sua evolução espiritual, a obra expõe preces e mensagens refletidas pelo líder e disseminadas em diversas publicações pelo mundo até os tempos atuais.


Um novo olhar sobre a vida após a morte
27/04/2013 às 10:35 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
Quem nunca se perguntou se existe vida após a morte? Com certeza a maioria de nós já fez essa reflexão. O funcionário público americano Dannion Brinkley em nenhum momento foi remetido a esse pensamento. Na juventude dos seus 25 anos em 1975, passava os dias sem pensar muito sobre como estava sendo sua estadia na terra e bem menos sobre morte. E foi num desses momentos corriqueiros do cotidiano que, ao ser atingido por um raio que o “matou”, viu que a concepção sobre vida e morte provocaria uma reviravolta significativa na visão do mundo.

Essa visita ao outro lado é relatada nas três experiências vivenciadas “pós-morte” ou Experiência Quase Morte (EQM), no best-seller “Tão Longe de Casa – A vida Após a Morte”. Enquanto médicos tentavam reanimá-lo sem esperança e familiares sofriam com sua partida, Dannion seguia para outra dimensão atraído por uma intensa luz. No cenário de paz e conduzido por seres iluminados, receberia várias lições e sabedoria espiritual. Aprenderia como é possível descobrir o sentido da vida e contribuir para transformar o mundo que habitamos. De volta à vida, Dannion iniciou uma transformação em sua trajetória para cumprir a missão atribuída pelo céu.


Um olhar “Entre dois mundos”
28/03/2013 às 13:42 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
Atraída pela acultura do Irã, terra natal do pai, a jornalista americana Roxana Saberi era correspondente internacional no Teerã quando iniciou uma pesquisa profunda sobre o modo de vida daquele país para escrever um livro. Mas prisão inesperada sob acusação de espionagem muda os personagens. E por isso acaba escrevendo sobre a própria história.

A sua vida como prisioneira por mais de três meses é relatada de forma inspiradora no livro “Entre Dois Mundos”. A dor física pela tortura e greve de fome iria marcar este período, mas o sofrimento emocional com as ameaças de jamais ser libertada e na coação para confessar um crime que não cometeu como suposta espiã dos Estados Unidos, abalaria a alma. Nos longos dias de silêncio no interior da cela sem acesso ao mundo lá fora, a jovem procura entender o sentido da prisão e arquivar lembranças dos acontecimentos de cada dia.

Em meio a esse drama, faz o elo entre a forte relação da religião islâmica com o poder político. Nos poucos momentos de vivência e conversas com companheiras de cárcere, toca nas suas emoções rompendo resistências buscando compreender o motivo das prisões e as lutas pelos seus direitos dentro de uma cultura carregada de nuances. Uma história extraordinária que impressiona pelos detalhes e pela força da autora na emoção em suas palavras.


Criança Linda, uma menina no silêncio
10/03/2013 às 19:31 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
A pequena Vênus está presa em seu silêncio. Sentada no muro da escola olha, mas não vê o mundo ao redor. “Criança Linda” é uma leitura envolvente onde conta a história de uma menina de 7 anos que não se comunica, apresenta perfil agressivo e estuda em uma classe especial. O enredo relata a vivência do professor com essa realidade diferente e, os desafios para inserir a aluna nas atividades em e no relacionamento com as demais crianças, buscando romper o silêncio da personagem.

Aborda ainda o papel do educador na aproximação com Vênus e sua família e destaca a luta da professora para descobrir as causas do silêncio a partir do estabelecimento da relação de confiança com as pessoas próximas da garota. É uma obra de ficção, mas com experiência e relatos que acontecem todos os dias em diversas escolas. Uma excelente oportunidade para provocar a reflexão de professores e quem sabe como ferramenta na compreensão dos educados.

Com uma linguagem simples sem deixar de ser profunda, prende o leitor até a ultima das 137 páginas e, aos mais sensíveis pode emocionar. A obra é de Torey Rayden editada pela WilliamMorrow. A autora nasceu em 1951 nos Estados Unidos. É psicóloga e professora com intensa experiência na educação especial. Entre seus livros publicados estão: A criança que não queria falar, A menina que não chorava Filhos do afeto e a Prisão do Silêncio.


*Maristela Benedet é colaboradora do Canal Içara, tem formação em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo desde 1996, atua na área e nas horas de lazer dedica-se a leitura