Canal Içara

Canal Içara

16 de junho de 2019 - 22:27
Doze anos de escravidão
19/05/2016 às 11:00 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
O direito à liberdade de Solomon Northup, um americano negro que nasceu livre, foi interrompido após ser atraído por uma proposta de emprego. Ele foi sequestrado e vendido como escravo. Na obra Doze anos de escravidão, relata então o sofrimento em uma fazenda de algodão em Louisiana. Entre a violência das chicotadas e os momentos de quase morte, Soloman fez da saudade da esposa e das filhas e da luta para provar sua liberdade à única esperança para manter a vontade de viver.

A redescoberta do mundo, de Thrity Umrigar
01/01/2016 às 10:00 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
Com a febre das ideologias pulsando no coração, as jovens universitárias Armiti, Lalech, Kavita e Nishta sonhavam mudar o mundo. Amigas inseparáveis, elas lideraram inclusive movimentos estudantis em Bombaim, na Índia, nos anos 70. A história da Redescoberta do mundo é mais um forte romance da escritora indiana Thrity Umrigar.

O tempo passou e cada uma seguiu o seu caminho. Até que Armaiti decidiu reunir as quatro amigas pela última vez. A vontade foi manifestada através de um telefonema feito nos Estados Unidos para contar também que estava com poucos meses de vida e tocar nas emoções e sentimentos reprimidos de todas elas.


Safiya: a nigeriana que sensibilizou o mundo
13/11/2015 às 16:00 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
A infância alegre com brincadeiras entre amigas de Safiya Hussain Tungar Tudu e lições do alcorão foi interrompida bruscamente aos 13 anos para um casamento arranjado. Nascida na vila Tungar Tundu, na Nigéria, a esperta menina aceitou resignada o destino como um desejo de Alá. Mas não imaginava que as dificuldades estariam apenas no começo. Toda a história de luta pela própria vida virou o livro Eu, Safiya – A história da nigeriana que mudou o mundo redigido pelo jornalista italiano Raffaele Masto.

Com 16 anos e quatro filhos, Safiya sofreu com a morte de duas crianças e o abandono do marido. Após mais dois casamentos infelizes e três novos filhos, decidiu não casar mais. Todavia, aos 34 anos, uma nova paixão e as falsas promessas de casamento resultaram em gravidez e na sentença mais cruel da lei islâmica às mães solteiras: a morte por apedrejamento. O sorriso da pequena Adama, a filha do pecado, a contratação de um advogado e a repercussão internacional foram fundamentais para manter a esperança.


Infância Interrompida, de Cathy Glass
12/10/2015 às 12:00 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
Até onde pode chegar a violência contra uma criança? O livro Infância Interrompida apresenta um relato verídico de Cathy Glass. A dor contrasta com esperança na busca da recuperação de Jodie, uma menina de oito anos agressiva e vítima dos abusos dos seus país.

Após a passagem por quatro famílias em curto período, Cathy, motivada pela vivencia com outras crianças, abre sua casa e seu coração para Jodie. E nos primeiros contatos, a menina revela sua personalidade doente.

Teimosa e arredia, ela agride os filhos de Cathy e segue as noites sem dormir com medo dos pesadelos reais provocados pelos parentes. Passados meses sem evolução, a paciência de Cathy cativa a confiança de Jodie. A descoberta contribui na tentativa de resgatar a alma sofrida da menina, sua infância interrompida e a magia de ser criança.


A Jornada de uma mulher pelo recomeço
18/09/2015 às 14:30 | Maristela Benedet - maristela.benedet@canalicara.com
Ecoando um grito latente para voltar a sentir o pulsar da vida após a morte da mãe e o fim do casamento, aos 22 anos, a americana Chery junta às poucas economias acumuladas no trabalho como garçonete e sai para uma jornada que marcaria sua existência para sempre. Em Livre – A Jornada de Uma Mulher Em Busca do Recomeço, Chery Strayed relata a sua corajosa aventura em uma atraente obra.

Por três meses ela caminhou sozinha cerca de 1.770 quilômetros da famosa trilha Pacific Crest Trail (PCT) no deserto dos Estados Unidos em uma tentativa de resgatar sua essência. Mesmo sem experiência e enfrentando os contrastes do frio e calor, a pouca água e comida, animais perigosos e muito cansaço, a jovem busca no silêncio desta solidão superar as dores das perdas para, desta forma, retornar ao lar como uma nova pessoa, uma nova mulher.


*Maristela Benedet é colaboradora do Canal Içara, tem formação em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo desde 1996, atua na área e nas horas de lazer dedica-se a leitura