Canal Içara

Canal Içara

04 de agosto de 2020 - 14:01
Cotidiano »
O primeiro morteiro na Festa de São Donato
06/08/2011 às 09:05 | Derlei Catarina De Luca - derlei.deluca@canalicara.com
Abílio Cardoso não quis saber de roça, nem de farmácia. Era um mecânico de primeira. No seu barracão enorme, de madeira, ao lado do trilho, tinha de tudo.

Conteúdo relacionado:
Especiais » Histórias além das lendas contadas em Içara


Tinha forja, torno mecânico e muitos materiais que se poderia precisar. A maioria dos instrumentos era feita por ele mesmo. Recolhia e aproveitava os pedaços de ferro, deixados na Ferrovia Teresa Cristina. Como morava perto do trilho, era fácil recolher a sucata. Todo dia encontrava alguma coisa e guardava.

Arrumava motor, caminhão ou carro que aparecesse. Arrumava ferro de brasa, fazia foice, forjava facão. Inventava todo tipo de ferramenta. Forjava os machados, o senhor João Zacarón fazia os cabos e vendia para os lenhadores. Muita gente ganhava a vida cortando eucaliptos, vendidos para a Estrada de Ferro.

João Zacarón morava em frente à oficina e, naquele ano, seria padrinho de uma novena de São Donato. Estava feliz e orgulhoso. Queria que sua noite, como padrinho, fosse memorável. Ainda não existiam foguetes comprados prontos e ele encarregou Abílio para alegrar a festa, queimando um pouco de pólvora. Pólvora era fácil de conseguir, todos os mineiros tinham acesso e naqueles tempos não era controlada.

Com uma sucata de ferro, tipo cano, que caíra de um vagão do trem, Abílio construiu um morteiro. Fechou uma abertura com uma sapata e o aparelho ficou parecendo uma bota. Carregou com pólvora, colocou bucha de papel e socou tudo com ferro. Ao anoitecer levou até a igreja.

No pátio da igreja, várias pessoas arrumavam as barraquinhas. A novena começava, E, dentre o sermão do padre, os cantos do Coral e as rezas demoraram mais de uma hora. Na primeira tentativa ,botou fogo no morteiro que se enterrou no barro. Chateado Abílio desenterrou o morteiro. Ainda bem que o barro era mole. O tiro deu certo, mas ele achou muito monótono.

Resolveu colocar o morteiro de cabeça para baixo. O morteiro fez um barulhão, subiu ziguezagueando, assustando algumas pessoas e caiu a três metros da Igreja, outra vez no barro. Se caísse sobre a Igreja podia causar um desastre.

Na terceira tentativa, Abílio resolveu não arriscar. Colocou o morteiro dentro do banheiro de madeira que havia ao lado da Igreja. O objetivo era apenas fazer barulho e dentro do banheiro, ele imaginou que não haveria perigo.

Quando começa o canto final da novena, Abílio botou fogo no material. As pessoas já estavam começando a sair da Igreja. O morteiro deu um belíssimo estouro, levantou, arrebentou o banheiro, e saiu ziguezagueando pelo céu. Voou tábua para tudo que foi lado. Espantou os cavalos que arrebentaram as rédeas, os fiéis saíram atrás dos cavalos e o senhor Zacarón mandou Abílio embora antes que detonasse a igreja.
+ Cotidiano
Participe também com seus comentários

últimas notícias