Canal Içara

Canal Içara

17 de setembro de 2021 - 05:04
Economia » Sabores de Içara
Projeção da safra de melancia em Içara é de 3,5 mil toneladas com ampliação do plantio
21/12/2020 às 10:00 | Andreia Limas - andreia.limas@canalicara.com
Lucas Lemos [Canal Içara]
Composta por 92% de água e apenas 6% de açúcar, rica em potássio e magnésio, a melancia é uma excelente opção para hidratar o corpo e repor sais minerais perdidos durante a transpiração e, por isso, tem a cara do verão. Em Içara, a fruta ganha relevância ainda pela participação na economia, pois representa uma das principais fontes de renda da agricultura familiar nesta época do ano.

“Em Içara, são plantados cerca de 50 hectares de melancia anualmente”, informa o engenheiro agrônomo da Epagri na cidade, Luiz Fernando Burigo Coan. Segundo ele, para 2020 a produção será ainda maior. “Este ano, houve um plantio maior, com 70 a 80 hectares plantados, porque produtores de outros municípios, principalmente de Jaguaruna, arrendaram áreas em Içara”, indica. A produtividade média gira em torno de 50 toneladas por hectare. Então, a projeção é de 3,5 mil toneladas neste ano.

Segundo o agrônomo, como o plantio é irrigado, a estiagem não atrapalhou a produção. “Tivemos períodos de pouca chuva no meio do desenvolvimento da cultura, mas no geral choveu bem. Em termos de clima, estamos tendo dias nublados, com muita umidade, o que favorece o aparecimento de doenças e compromete o desenvolvimento das frutas em geral, que precisam de mais sol, mas nada que o produtor não consiga controlar. A safra está dentro da normalidade, não houve nenhum evento extremo ou muito prejudicial até o momento”, afirma.

A principal produção se concentra em Campo Mãe Luzia e Coqueiros e há plantio também em Boa Vista, além de Lagoa dos Freitas, em Balneário Rincão. Entre os cultivares, o mais tradicional é a Top Gun, mas os produtores começaram a plantar também a Sweet K, uma melancia que tem boa aceitação no mercado, pela doçura e a coloração bem vermelha.

Venda direta ou nos supermercados

Conforme Luiz Fernando, a maior parte da produção vai para atravessadores, para a revenda a supermercadistas e atacadistas que distribuem em São Paulo e outros estados. Boa parte é vendida também no comércio local e diretamente ao consumidor.

“A minha nora vende tudo pelo celular. Liga para as pessoas, faz uma carguinha na Belina e entrega. Já temos nossos fregueses em Içara, Criciúma, às vezes leva até Sangão e outras cidades da região. Como a melancia é orgânica, o pessoal procura muito”, conta o agricultor Vanderlei Ingrácio, de Campo Mãe Luzia.

Ele e o filho trabalham na lavoura e a esposa também ajuda. “Este ano, só plantei um hectare e o que colhemos até agora foi só para o consumo da família, porque as melancias ainda estão verdes”, comenta Vando, como é mais conhecido.

De acordo com o agricultor, a área plantada foi reduzida para dar lugar a outras culturas mantidas pela família, como as de melão, batata doce, aipim e moranga. “Também fornecemos para a merenda escolar. Agora é um período que está sem aula, mas estão dando as cestas (de alimentos) para as famílias”, lembra.
+ Economia
Participe também com seus comentários

últimas notícias