Canal Içara

Canal Içara

23 de novembro de 2020 - 20:27
Cotidiano »
Simone Cândido: O ciclo da vida
24/10/2020 às 08:00 | Simone Luiz Cândido
Nascemos dependentes de outras pessoas: nossos pais, avós, tios, ou alguém próximo, pois seres indefesos necessitam que alguém o alimente, dê banho e outros cuidados, que, sem eles, não sobreviveríamos. Assim, vamos crescendo e nos desenvolvendo! Aprendemos lições de vida e afetos, que nos sãos passados de geração em geração. Vamos sendo moldados pelos nossos responsáveis e adquirimos o jeito de serem, os hábitos e nos tornamos pessoas com muitas semelhanças aos nossos.

Do nascimento até ficarmos independentes, demoram alguns anos. E haja paciência de quem nos cuidou! Crescemos e vamos passando por várias fases. Aos poucos, vamos dependendo menos para nossas tarefas diárias, mas nem sempre agradecemos por todo cuidado que tiveram. Olhando para as mãos de nossos pais, já enrugadas pelo passar do tempo, podemos perceber o quanto foram importantes para nossas vidas. Quantas vezes essas mãos cuidaram de nós, quantos afagos, quantas comidinhas gostosas com tanto amor nos fizeram!

Muitas histórias nos contaram até aprendermos a falar, depois a ler. Incansáveis com seus ensinamentos repetiam muitas vezes, até que aprendêssemos e alguns acabam esquecendo todos os sacrifícios que seus pais passaram para o seu desenvolvimento. Os anos passam e os pais envelhecem, repetem as histórias que já ouvimos várias vezes, ou nem as ouvimos, deixamos de lado.

Quantos vivem na solidão, sem uma visita ou um telefonema dos filhos! Alguns perdem a memória, esquecem com facilidade fatos cotidianos. Outros não conseguem lembrar-se de seus próprios filhos. E nós, podemos nos esquecer deles? Amor de verdade jamais é esquecido! Mesmo que eles não recordem quem tu és, lembra-te que foste criança e eles te tornaram o adulto de hoje.

Cresci e sigo o exemplo de meus pais, que ensinaram, por onde eu passar deve deixar marcas de onde vim do quanto recebi de amor. Assim, segue o ciclo da vida para minhas filhas, pois já cresci e meus pais moram em outra dimensão de lá quero que tenham orgulho da mulher que me tornei.

Que cada filho, que ainda tem a alegria de ter seus pais por perto, dê toda atenção necessária e muito amor, pois é gratuito. E se Deus permitir, ficaremos com nosso rosto e mãos enrugadas, prova que vivemos muitos anos. E quando não nos lembrarmos de muitas coisas, que nossos filhos nos façam lembrar de todo amor que lhes ensinamos, seguindo o ciclo da vida.

Dedico aos meus pais Luiz e Fátima, que muito contribuíram para eu me tornar quem sou aos meus sogros Fernando e Zenair, que muito auxiliaram seus filhos e netos nessa jornada terrena.
+ Cotidiano
Participe também com seus comentários

últimas notícias