Canal Içara

Canal Içara

21 de abril de 2019 - 13:19
Economia » Mina 101
Laudo atesta ligação de lençol e aquífero
14/05/2014 às 23:41 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
A interligação do lençol freático com o aquífero existente na área de concessão da Mina 101 está atestada em parecer do geólogo José Carlos Silveira de Oliveira, além do engenheiro sanitarista e ambiental Márcio Roberto Schneider. Os peritos e doutores foram acionados pela Justiça Federal como contraponto as manifestações apresentadas até então pela empresa e o Ministério Público. O estudo intermediário levou em consideração as informações documentadas no processo, além dos dados obtidos em visitas, o conhecimento dos profissionais e a legislação vigente.

Com base no laudo, o geólogo que presta assessoria pericial ao Ministério Público Federal também vai se manifestar. A partir do parecer a Procuradoria Federal deverá decidir que atitudes tomar. Em dezembro de 2011 o MPF chegou a recomendar a que a Fatma e o Departamento Nacional de Produção Mineral suspendessem a operação da Mina 101. Mas voltou atrás com base nas manifestações apresentadas pelos órgãos. Ainda assim requisitou o fornecimento de água para as famílias possivelmente atingidas.

“O aquífero profundo não está totalmente isolado do aquífero freático na área de interesse. Considerando que o aquífero é poroso, a sequência litológica apresenta horizontes de baixa permeabilidade, ocorrendo também fraturas e falhas que determina assim uma comunicação hidráulica entre o aquífero freático e o profundo”, coloca o mais recente relatório. Nele os peritos alertam também que esta interferência pode ocasionar até mesmo a inversão no sentido do fluxo da água.

Mas também conforme apresentado na análise técnica, o bombeamento realizado no poço circular da carbonífera não deve ser considerado como única causa para o rebaixamento de poços e ponteiras. “Não se pode descartar a possibilidade de algum dos piezômetros monitorados terem sido influenciados por vazões de bombeamento praticadas por poços de captação vizinhos em algum ponto específico”, sinaliza o documento. “Todos os poços de captação da água subterrânea existentes na área de interesse, isoladamente ou em conjunto, podem contribuir para o consumo da água subterrânea do aquífero em maior ou menor grau”, estabelece.

NOVO ESTUDO – A sugestão dos peritos é que haja um novo estudo na área. O foco desta vez seria a quantificação da taxa de recarga do aquífero e da retirada dos recursos naturais praticadas tanto pela mineradora quanto aos demais poços de captação, inclusive, com a consideração da influência da mineração de argila e a drenagem praticada na região. A comparação possibilitaria a definição do balanço hídrico local. Outra recomendação é que as medições para avaliação do comportamento do nível da água não sejam mais realizadas em poços antigos ou cujos perfis construtivos são desconhecidos.
Participe também com seus comentários

últimas notícias
notícias mais lidas