Canal Içara

Canal Içara

25 de janeiro de 2020 - 21:02
Economia »
Primeira quinzena de 2020 chega a 97,3% da capacidade total de distribuição de energia
15/01/2020 às 16:32 | Redação | com a colaboração de Mariéli Salvador, da Cooperaliança
A Subestação da Cooperaliança registrou nesta primeira quinzena do ano a maior demanda de potência dos últimos anos. Os números, principalmente no dia 6 de janeiro, chegaram em 25,3MW, ou seja, a 97,3% do limite de 26MW. “Tivemos o retorno das indústrias e o calor excessivo fez com que elevasse o uso de equipamentos como ar-condicionado. Da mesma forma, o aumento da população nas áreas litorâneas colaborou para os números”, ressalta o engenheiro eletricista da distribuidora de energia, Edmilson Maragno.

Outra situação foi o retorno da carga remanejada entre as subestações Rincão e Içara. “Em épocas como de festividades de fim de ano, as unidades da SE Içara diminuem significativamente o consumo e conseguimos efetuar a transferência de cargas para não sobrecarregar apenas uma neste período. Após isso voltamos a configuração anterior, onde o abastecimento da região litorânea se concentra na SE Rincão”, indica.

Mesmo com a elevação do consumo entre o fim de ano e o início de 2020 nenhuma falha na rede foi registrada. “Prezamos para que transtornos não atrapalhassem as comemorações dos nossos quase 40 mil consumidores e obtivemos sucesso. Não foi constatado, em nenhum dos municípios de abrangência, problemas nos transformadores ou casos gerais. Nossa equipe estava em plantão especial para evitar falhas e apenas casos pontuais aconteceram”, coloca o presidente da concessionária, Reginaldo de Jesus (Dedê).

Até o fim de 2020 a subestação em Sanga Funda dobrará a capacidade de carga instalada. Um novo transformador já foi adquirido para aumentar a carga total de 26MVA para 52MVA. “Nosso maior objetivo quando assumimos era este. A qualidade da energia e a excelência na distribuição é pilar principal e sabemos que, com o crescimento das unidades consumidoras, seria necessária a obra”, frisa Dedê. Com potência dobrada, novas empresas poderão ser instaladas na concessão com segurança e qualidade no fornecimento pelos próximos dez anos.
+ Economia
Participe também com seus comentários

últimas notícias
notícias mais lidas