Canal Içara

Canal Içara

20 de agosto de 2019 - 04:46
Esportes » Memórias
Dudinha, a jovem de Içara que brilha no futsal feminino
25/01/2018 às 16:17 | Lucas Lemos - lucas.lemos@canalicara.com
Lucas Lemos [Canal Içara]
Aos seis anos, Maria Eduarda Rabelo Teixeira descobriu a vocação pelo futsal. A jovem moradora de Içara começou com brincadeiras entre a família e, na falta de companhia, o muro da residência no bairro Cristo Rei. Aos nove, decidiu então ser jogadora. Entrou para a equipe do Colégio Rogacionista, de Criciúma. Além disso, fez parte também dos talentos da Fundação Municipal de Esportes de Içara, mas retornou em 2017 para Criciúma influenciada pelas oportunidades. Atualmente com 13 anos, Duda soma quase 20 medalhas. Dentre elas, a mais especial é a prata no Sul-Americano Sub-15 na Bolívia em dezembro de 2017.

Sul-Americanno: A equipe brasileira teve quatro jogos, dos quais, Duda esteve presente em todos. Após três vitórias, a final ocorreu com 6x2 para Colômbia
"A experiência na Bolívia foi muito boa. A união aliada à técnica foi fundamental para obtermos, além do resultado, novas amizades", exalta. Segundo ela, a expectativa agora é garantir uma nova vaga à competição mundial de 2018. O caminho inclui as fases Regional, Estadual e Nacional junto com o técnico Marcelo Justi. "Tenho me preparado com alimentação adequada e atividade física pelo menos dois dias por semana. O projeto para este ano é melhorar ainda mais o porte físico e aprimorar o psicológico para lidar melhor com a pressão", acrescenta a atacante, por ora, ajudante também da família no Restaurante Caseirinho.

"A valorização do futsal feminino melhorou bastante. Joguei muito com os garotos na escola. Eles sempre deram espaço, mas as meninas dificilmente queriam jogar e preferiam outras modalidades, por exemplo, o vôlei", relembra. Além do apoio na escola, a adolescente foi influenciada diretamente pela família. Tanto a mãe Maira quanto o pai Rodolfo cursaram Educação Física. "Não conclui o curso devido a gravidez. Lecionei por 15 anos. Joguei futsal, mas a preferência era pelo handebol. O talento da Duda acho que veio do pai, que jogou a modalidade pela FME de Criciúma", indica a matriarca.

"A carreira exige responsabilidade, disciplina, determinação, humildade e preparação física adequada. Espero que o futsal seja uma janela", projeta Duda. O elenco em que faz parte é uma das referências da modalidade de salão no país. É também uma vitrine para o futebol de campo que almeja alcançar. Duda se espelha ainda no Orlando City (EUA), o time do Kaká e da Marta. "É uma das melhores jogadoras do mundo", justifica. "A família é a base de tudo. Os amigos também ajudam. Todo este apoio será fundamental para chegar lá", pontua.
Participe também com seus comentários

últimas notícias
notícias mais lidas