Canal Içara

Canal Içara

23 de agosto de 2019 - 12:32
Economia »
Política municipal de defesa do consumidor: conquistas e desafios coletivos
12/08/2019 às 11:00 | Karol Calegari
Há no Brasil cerca de 900 Procons. Deste total, a maioria aplastante são de Procons municipais. Se os números revelam nossa força, eles também apontam para nossos desafios: falta de subsídio técnico, estrutural, de pessoal, e a consequente carência de incentivos.

Sabemos que a defesa do consumidor como instrumento de cidadania, deve ser um aparato institucional organizado e capaz de garantir a efetividade dos direitos dos consumidores. Mas se esta é, como dizemos, a porta da cidadania, por que fecha-la? Ou ainda, por que não envidar esforços em mantê-la aberta a fim de que por ela entre o cidadão vulnerável? Esses questionamentos demandam algumas reflexões.

Ao longo dos anos, pude perceber e (re)conhecer na defesa do consumidor – salvo raras exceções – pessoas abnegadas e aguerridas à frente dos Procons, com espírito público e a paixão em servir a cada consumidor que encontrou ali, quem sabe, a última chance de ter seu conflito de consumo sanado, sua vida resolvida... porque sim, pasmem! Falamos aqui de vidas, consumidores que diariamente são afetados por uma realidade econômica e social que não lhes é favorável, desencadeando no desequilíbrio de sua saúde financeira, e de sua existência como um todo.

Mas para que a municipalização de Procons, se haverá aí um custo ao erário? Ledo engano. A política municipal de defesa do consumidor se revela para a cidade tão importante quanto as demais políticas sociais econômicas. Um consumidor empoderado e conhecedor de seus direitos, um fornecedor estimulado a trabalhar com cada vez mais transparência na oferta de seus produtos e serviços, uma sociedade civil consciente do impacto do seu consumo em relação as gerações vindouras: certamente aqui, temos um Procon atuante.

Em Içara, o Sistema Municipal de Defesa do Consumidor e Cidadania, foi instituído em 2004. De lá para cá, é nítida a evolução que órgão obteve enquanto instituição, e consequentemente, a ampliação ao acesso as garantias fundamentais do consumidor, seja pelo comprometimento do gestor, seja pelo incentivo à execução das políticas de defesa e proteção pelo poder público. Embora estejamos falando aqui de uma cidade em desenvolvimento, e com cerca de 60 (sessenta) mil habitantes, o Procon Içara é prova de que onde a política de defesa do consumidor é executada, há aí uma sociedade que reconhece a importância deste serviço em suas relações mais primárias de consumo.

Sob este prisma, forçoso concluir que é possível praticar a defesa do consumidor nos municípios, sejam eles grandes ou pequenos, e obter resultados extremamente positivos que refletem diretamente na vida do cidadão.

Ainda neste viés, oportuno lembrar que todas as iniciativas que coadunem para execução desta política são louváveis, e os Procons devem publicizá-las, e utilizá-las em favor de facilitar a vida dos munícipes. Aqui destaco o consumidor.gov, plataforma online criada pelo Ministério da Justiça, que possibilita a resolução dos problemas de consumo desse cidadão de forma rápida e eficaz, e que por possuir um público absolutamente distinto, não substitui a relevância da instituição e fomento dos Procons.

Lado outro, para que isto ocorra, é necessário um olhar mais atencioso a estes órgãos por parte do poder público, já que entender a importância do incentivo à esta política no âmbito municipal, é compreender a relevância deste que é um direito fundamental de cada cidadão.

Através dos Procons, pode-se não apenas tornar o equilíbrio na relação de consumo possível, como também contribuir sobremaneira na mudança de comportamentos econômicos que lesam a parte mais vulnerável desta relação. Com incentivo à execução dessas políticas públicas no âmbito dos municípios, tal como ocorre em muitos estados, os Procons poderão ser grandes aliados nas mudanças que precisamos na cadeia de consumo a nível local, regional e ainda de forma macro, mas isto só será possível com o esforço de todos os entes.

Todos elos são importantes, cada parte do todo tem sua relevância, se como municípios formamos um estado, se como estados somos uma nação, negar o incentivo a defesa do consumidor na ponta, seria o mesmo que querer conquistar o cume do Everest, sem antes ter passado por seu base camp.
Karoline Calegari é graduada em Direito, especialista em Direito e Defesa do Consumidor, diretora executiva do Procon de Içara desde 2017, além de presidente da Associação dos Procons de Santa Catarina.
Participe também com seus comentários

últimas notícias
notícias mais lidas